Por risco de trombose, Brasil abandona uso da AstraZeneca

0
76

Uma nota técnica do Ministério da Saúde finalizou o uso e a produção da vacina AstraZeneca, produzida no Brasil pela FioCruz, por causa dos riscos de trombose atribuídos ao imunizante que foi aplicado em 115,6 milhões de brasileiros até janeiro de 2022.

A recomendação foi publicada em 27 de dezembro de 2022, mas passou despercebida. O documento diz que tanto a AstraZeneca, quanto a Janssen não devem ser aplicadas em pessoas com menos de 40 anos e que as demais vacinas disponíveis tenham preferência.

A justificação são os casos de síndrome de trombose com trombocitopenia (STT) que foram identificados em outros países no início da vacinação e que também foram registrados no Brasil.

O documento diz que 98 casos de STT relacionados à AstraZeneca foram notificados no e-SUS, destes, 34 tiveram nível 1 de certeza diagnóstica (casos confirmados), 17 casos com nível 2 (casos prováveis) e 47 casos com nível 3 (casos possíveis). Mulheres com menos de 40 anos foram as principais vítimas.

– Entre os casos prováveis e confirmados (níveis 1 e 2 de certeza diagnóstica), observa-se que a quase totalidade dos casos ocorreram com as vacinas Astrazeneca e Janssen, com incidências semelhantes entre elas, e com a primeira dose da vacina. Apenas dois casos ocorreram com a segunda dose e, mais recentemente, tem-se observado a ocorrência de casos com as doses de reforço – diz trecho da nota técnica 393/2022.

Diante dessa nova recomendação, o Ministério da Saúde optou por não renovar o contrato com a FioCruz, assim, as vacinas deixam de ser produzidas e utilizadas no Brasil.

Atualização em 12/04 às 14h33: A nota técnica 393/2022 de 27 de dezembro de 2022 não está mais disponível no site da Sociedade Brasileira de Imunização (SBIm), você pode encontrá-la clicando aqui.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here