João Alberto foi espancado por seguranças em uma unidade do Rio Grande do Sul

O Grupo Carrefour depositou, nesta quarta-feira (28), R$ 1 milhão em indenização para Milena Alves, viúva de João Alberto, morto por seguranças do supermercado em Porto Alegre, em novembro de 2020. 

De acordo com o Carrefour, o depósito foi realizado em uma conta criada com a finalidade de consignação extrajudicial. A empresa também depositou R$ 100 mil extras diretamente na conta bancária de Milena para gastos mais urgentes.

A viúva de João Alberto era a única familiar que ainda estava com a negociação de indenização em aberto. Segundo o Carrefour, a empresa já finalizou oito acordos com os demais familiares de João Alberto, sendo quatro filhos, o pai, a irmã, a enteada e a neta. 

Além dos acordos com a família da vítima, o Carrefour está negociando junto ao Ministério Público do Rio Grande do Sul e outras autoridades uma indenização por danos morais coletivos, que acontecerá por meio de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), estabelecendo compromissos e obrigações da empresa com a sociedade para a luta contra o racismo no país,

O objetivo é de investir em ações que contribuem para a mudança do cenário de racismo que existe no Brasil, informa a empresa. 

“Desde a morte de João Alberto, o Carrefour assumiu 8 compromissos com mais de 50 iniciativas públicas para o combate à discriminação e inclusão de negros e negras, como forma de contribuir para o enfrentamento do racismo no Brasil. Para subsidiar estes compromissos, foi criado um Fundo de Diversidade cujos recursos serão destinados a ações de impacto na sociedade, previstas nos compromissos divulgados”, informou o Carrefour, por meio de nota.